quinta-feira

Tormenta


                                       
  

Veste-me daquele aroma dos lábios molhados depois de um beijo que pertenceu ao meu corpo depois de (um) amanhecer a dois.
  ...daqueles braços… impetuosos e exigentes, que cavavam na ternura dos desejos, longas tardes em que fugíamos como corsários do tempo…
  … éramos simplesmente felizes.
 
Veste-me das mãos que tantas e tantas vezes me cravaste na pele, construindo palavras das saudades que ambos trazíamos na ponta dos dedos… fruto do calar o grito de tristeza de não podermos testemunhar juntos ,  cada amanhecer.
  ...de segredos… Os segredos que os meus ouvidos guardam; eco de um sonho onde tudo se espera sem nada se pedir.
   
Canso-me, cada vez me canso mais… A minha voz cala-se mais um pouco todos os dias e tenho medo que se cale de todo. Por isso imploro……………Veste-me ou despe-me… Ou talvez seja melhor que me mandes embora de vez… porque o teu silêncio é a tábua rasa para o tormento eterno da minha alma.

5 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Poetico e belo, este teu magnífico texto.
Beijos, querida Ana.

Nilson Barcelli disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Se te calas morres, mais vale que escrevas que grites que nos faças sentir que precisas de tudo o que temos para te dar.

áurea regina disse...

verdades que passam pelas nossas
Vidas...em muitos momentos!

AMEI!!!!!

José Carlota disse...

excelente foto, Ana!!
Magnifico texto!!!
Excelente blog, amiga!!
Um bjito e uma óptima semana!!